Não somos super-heróis, somos Pais.

Dez dias de internamento na pediatria, três dos quais na unidade de intensivos. Não foi fácil… Aliás, nunca é fácil ver um filho no hospital e saber que não podemos ficar no seu lugar. Podemos, todavia ,dar-lhes todo o nosso amor, carinho, colo e aconchego. Foi isso que fizemos.

No hospital, durante a minha estada de dia e noite, fui observando a cada dia as mães e pais que chegavam primeiramente às urgências e depois à ala de pediatria.Todos tinham a mesma expressão. A preocupação inverte-nos o rosto, vincando-nos os traços da testa. Enquanto as mães acompanhavam as suas crias aos gabinetes médicos, os pais, em geral, ficavam no exterior a matar tempo fumado um cigarro ou deambulando. Custa ter que esperar, custa deixar mulher e filho no hospital se assim tiver de ser.

As mães ficam onde o filho tiver que ficar, fazem o que for preciso para o ver bem. Tal como os pais, que se ausentam por instantes, pois a vida não pára e há trabalho para fazer, mas regressam com a sua força e apoio incondicionais.

E assim ia correndo o tempo. Pessoas entravam e saiam, um corre-corre de médicos e enfermeiros.

Chorei, ri, agradeci a todos os que nós cuidaram.

Felizmente tudo acabou bem.

Anúncios

Leave a comment

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s